top of page

Agentes da Defesa Civil de Maceió ajudam na elaboração de laudos de áreas afetadas



Uma equipe composta por engenheiros ambientais, civis, elétricos, agrimensores, cartógrafos, geólogos, além do corpo técnico de administração da cidade de Maceió (AL), está em São Sebastião para ajudar no monitoramento e laudos das áreas afetadas pela catástrofe de 19 de fevereiro.


O grupo é o mesmo que tem atuado no município do nordeste em relação à problemática de afundamento de solo que tem provocado a demolição de vários conjuntos habitacionais.


Nesta quinta (2) e sexta-feira (3), os técnicos estiveram no bairro do Itatinga, na região central da cidade, para avaliaar a situação dos imóveis. “Trazemos nossa experiência para ajudar o município neste momento tão difícil”, disse o coordenador geral da Defesa Civil alagoano, professor Abelardo Nobre Junior.


A equipe fará mapeamento das áreas de risco e dará suporte às demandas oriundas do desastre. Além dos mapeamentos de áreas, os técnicos farão vistorias nas residências que foram atingidas, mas não sofreram colapso, para identificar possíveis riscos e utilizará equipamentos que são parte do dia a dia da Defesa Civil de Maceió, no monitoramento dos bairros atingidos pelo afundamento do solo, decorrente da mineração de sal-gema pela Braskem, como drone - que será utilizado no mapeamento das áreas afetadas, GPS de navegação, bússola, fissurômetro, trena a laser e inclinômetro.


Já foram identificadas em torno de 80 construções pelas equipes do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA) que engloba o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPA) e Instituto de Geologia (IG), do Governo do Estado. Pelo menos nove já receberam o adesivo de interdição definitiva. As outras estão classificadas como interdição temporária ou monitorada.


O chefe da Defesa Civil de São Sebastião, Ricardo dos Santos, explica que essa avaliação dentro dos imóveis servirá para ver as condições de liberação ou não para os moradores, principalmente após as chuvas desta última semana “Eles vão fazer laudos das oito áreas de risco afetadas pelo temporal”.


As áreas estão no Itatinga, Toque-Toque Grande, Toque-Toque Pequeno, Paúba, Boiçucanga, Cambury, Juquehy e Barra do Sahy. “Estamos fazendo ações para eliminar todo e qualquer tipo de risco e levar a decisão técnica e segura para os moradores”, reforçou.


Fonte: Departamento de Comunicação/PMSS

Foto: Divulgação/PMSS

bottom of page